Sem título-2-08.png

13 estados têm mais beneficiários do Auxílio Brasil que trabalhadores com carteira assinada

Todos os nove estados do Nordeste e 4 dos 7 da região Norte têm mais famílias que vivem do benefício do que da renda do trabalho formal; números mostram que quanto maior a precariedade do mercado de trabalho, maior a dependência do programa social.

Quase metade das unidades da Federação do país tinha mais beneficiários do Auxílio Brasil do que trabalhadores com carteira assinada em março deste ano.


De acordo com levantamento do g1, feito com base nos números do programa social fornecidos pelo Ministério da Cidadania e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Previdência, em 13 estados o número de famílias que vivem do dinheiro do Auxílio Brasil é maior que o das que vivem da renda do trabalho formal, com vínculo CLT.

Dentro desses 13 estados estão todos os nove do Nordeste e 4 dos 7 estados da região Norte (Acre, Amazonas, Amapá e Pará).


As maiores diferenças entre o número de beneficiários do auxílio e empregados com carteira assinada estavam nos estados do Maranhão (576.411 mais beneficiários do que CLT), Bahia (412.290), Pará (332.706), Piauí (241.874), Pernambuco (155.548), Paraíba (188.546), Alagoas (118.974) e Ceará (110.915).


Desemprego

O levantamento analisou ainda os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE.


No primeiro trimestre, a taxa de desocupação ficou acima da taxa nacional – de 11,1% – em 13 estados e no Distrito Federal. Não surpreendentemente, estão entre eles 12 dos 13 locais que têm maior número de beneficiários do auxílio do que trabalhadores CLT.

Percentual de trabalhadores CLT

Os 13 estados estão ainda entre os com menor percentual de empregados com carteira assinada e todos estão abaixo da média nacional.



Precariedade do mercado leva à dependência, diz economista

Para Ecio Costa, economista pela Universidade Federal de Pernambuco e pós-doutor em economia pela University of Georgia (EUA), esses números mostram que quanto maior a precariedade do mercado de trabalho, maior a dependência do programa social.

“É reflexo da pobreza, do desemprego e da informalidade nas regiões Norte e Nordeste, indicando alta dependência do dinheiro público e necessidade de políticas de desenvolvimento econômico regional”, afirma.

Costa lembra que a pandemia levou o governo a criar o Auxílio Emergencial, que trouxe um impacto significativo na vida das famílias e na economia dessas regiões – estudo conduzido por ele mostrou que o peso do auxílio sobre o PIB de alguns municípios passou de 30%.

“O Auxílio Brasil substituiu o Bolsa Família e vai trazer o mesmo tipo de impacto sobre as famílias e municípios mais pobres no Brasil. Mas, como pode se compreender a partir desse levantamento, o problema é muito maior", diz.

"Políticas de desenvolvimento regional são a solução para resolver essa grande disparidade regional. O Auxílio Brasil atenua no curto prazo, mas a saída precisa vir de políticas que desenvolvam o capital humano, através da educação, e as potencialidades econômicas regionais. Enquanto não se pensar em longo prazo, a dependência de programas sociais será constante”.


Costa aponta que antes da pandemia, 8 estados tinham mais pessoas dependendo de benefícios sociais que vivendo de empregos formais. Em 2020, esse número subiu para 10. Já em fevereiro deste ano eram para 12, e em março, subiu para 13. Ou seja, a cada mês recordes vêm sendo batidos.


Fonte: G1

Sem título-2-08.png