Sem título-2-08.png
  • Junior Sas

Com chegada do inverno, expectativa é de alta na safra de cebola e trigo em SC

Epagri divulgou as estimativas para a produção das hortaliças e cereais da estação em 2022


A chegada do inverno gera boas expectativas para a safra de trigo e cebola em Santa Catarina neste ano. Segundo a Epagri, a produção de trigo deve ser 25% maior em 2022 do que no ano passado. Já a colheita da cebola tem o potencial de ser 5,46% maior em relação ao ano anterior.


A Epagri informa que SC deve ser o maior produtor de cebola do Brasil. Segundo o analista de socioeconomia da Epagri/Cepa, Jurandi Teodoro Gugel, se o clima colaborar, o Estado deve passar de 496 mil toneladas da hortaliça produzidas em 2021 para 523 mil toneladas na safra de 2022 e 2023.


Segundo Jurandi, o incremento de produção está ligado principalmente ao aumento esperado de 4,94% na produtividade da cebola catarinense.


— Os bons resultados da última safra possibilitaram a manutenção do investimento na cultura, apesar da elevação nos custos de produção — relata Jurandi.


Quatro regiões concentram a produção de cebola em SC. A região de Ituporanga é a maior produtora de cebola no Estado, respondendo por 46,7% do total. Em seguida aparece a região do Tabuleiro, com 18,12%. Na região de Joaçaba são produzidas 10,44% de todas as cebolas do Estado, enquanto a região de Rio do Sul produz 8,8% do total catarinense.


Conforme a Epagri, se as condições climáticas forem favoráveis, a safra do trigo deve ser a com o maior crescimento do Estado. Em comparação com 202, a produção do grão deve ser 26% maior. A area plantada também cresce, saltando de 102,7 mil hectares para 124,7 mil hectares, um aumento de 21,4%,


Entre as regiões do grão em Santa Catarina, a produção é mais equilibrada em comparação com a cebola. Chapecó deve se firmar como a principal região produtora, respondendo por 19,57% do total estadual. Em seguida aparece Canoinhas, que vai produzir 19,32% do trigo catarinense, e Curitibanos, com 18,98%. A região de Xanxerê é a quarta maior produtora do Estado, com 14,66% do total.


Outros cereais que devem ter um crescimento, apesar de tímido, são a aveia e a cevada. A área de produção da aveia diminuiu, o que impactou a perspectiva e a estabeleceu em 0,82% a mais em comparação com a safra de 2021. A safra da cevada deve ser 9,46% maior que o ano anterior, empurrado pelo aumento da área de plantio.


Estimativa de produção do alho despenca em SC


Mesmo com a posição de terceiro maior produtor do país e com potencial de crescimento, a expectativa para a safra do alho em Santa Catarina despencou em comparação com a produção de 2021. A queda é estimada em 17,06% em relação com o ano anterior.


Segundo o analista da Epagri, falta apoio para a cadeia produtiva, para que produtores, especialmente os familiares, consigam ter um bom desempenho na produção.


O indicativo de que a safra deve diminuir é a área de plantio da hortaliça, que reduziu 18,67%.

— Esta situação é reflexo do resultado do aumento dos custos de produção e do menor retorno econômico que os produtores obtiveram na safra passada — pontua Jurandi.


Incertezas podem afetar a produção final


Segundo Jurandi, a safra das hortaliças e cereais no inverno começa em meio a um cenário de incertezas. Os custos da produção aumentaram em função de problemas no abastecimento de fertilizantes, que aumentaram significantemente o preço.


Por outro lado, a invasão da Ucrânia pela Rússia e as condições climáticas adversas nos Estados Unidos dificultaram a produção de trigo em áreas que antes também competiam com a produção de Santa Catarina. Para a Epagri, o cenário internacional de menor oferta trouxe expectativa de bons preços na comercialização da nova safra.


Fonte: NSC

Sem título-2-08.png