Sem título-2-08.png

Corpo de rainha Elizabeth II é velado na Catedral de St Giles

Caixão da rainha permanecerá na Catedral de St Giles para um serviço de oração e reflexão com a presença do rei e da rainha consorte e membros da família real



A morte da rainha Elizabeth II deu início a um período de luto que culminará em grande funeral de estado em 19 de setembro, em homenagem à sua vida de devoção e serviço.

Nesta segunda-feira (12), o caixão da rainha seguiu em um cortejo até a Catedral de St Giles para uma cerimônia de oração e reflexão com a presença do rei Charles III e da rainha consorte e membros da família real.


O caixão da rainha chegou à Catedral de St. Giles, onde aconteceu um momento de ação de graças. O caixão entrou na catedral seguido pelo filho e herdeiro da rainha, o rei Charles III, e seus outros três filhos. Ele foi colocado na frente da igreja por tropas do Regimento Real da Escócia, que carregaram o caixão do Palácio de Holyroodhouse. O hino de abertura, All People That on Earth Do Dwell, foi entoado.


O rei Charles III, junto com seus irmãos e sua esposa, Camilla, a rainha consorte, deixaram a Catedral de St. Giles, em Edimburgo, após a cerimônia. O monarca foi recebido com aplausos por espectadores do lado de fora da igreja.


Premiê da Escócia faz leitura


A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, leu um trecho do Antigo Testamento durante a cerimônia de ação de graças. A leitura foi Eclesiastes 3: 1-15.


“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar; tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar; tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras”, leu Sturgeon.


“Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar; tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora; tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar; tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz”.


Cortejo


O caixão da rainha começou sua jornada do Palácio de Holyroodhouse, em Edimburgo, para a Catedral de St. Giles, com o rei Charles III liderando a procissão. Os outros filhos de Elizabeth II – os príncipes Edwards e Andrew e a princesa Anne – acompanharam o rei e a rainha consorte. As ruas de Edimburgo estavam cheias de espectadores que permaneciam em silêncio enquanto o cortejo passava lentamente.


Enquanto a procissão do caixão da rainha estava em andamento, o príncipe Andrew estava andando em um traje matinal enquanto seus irmãos, o rei Charles III, a princesa Anne e o príncipe Edward usavam uniformes militares.


O príncipe Andrew não é mais um membro da realeza que trabalha. Ele foi destituído de seus títulos militares e instituições de caridade em janeiro de 2022, pouco antes de resolver um processo civil de agressão sexual nos Estados Unidos.


No final desta semana, o caixão da rainha chegará a Londres e ficará lá por vários dias, antes de seu funeral acontecer na segunda-feira (19).


Após o serviço, o rei retornará a Holyrood, onde terá uma audiência com a primeira-ministra escocesa Nicola Sturgeon, seguida de uma reunião com o presidente do Parlamento escocês. Charles, acompanhado pela rainha consorte, irá mais tarde ao Parlamento escocês para receber uma moção de condolências.


À noite, às 19h20 (13h20 no horário de Brasília), o rei e os membros da família real montarão sua própria guarda – ou vigília – do caixão da rainha.


Fonte: CNN Brasil

Sem título-2-08.png