Sem título-2-08.png
  • Eraldo Ferraz

Equipe médica descarta cirurgia do presidente Bolsonaro, mas ainda não há previsão de alta



A obstrução intestinal do presidente Jair Bolsonaro "se desfez" e não há indicação de cirurgia, de acordo com o boletim médico divulgado na manhã desta terça-feira (04), pelo Hospital Vila Nova Star, onde o mandatário está internado desde ontem.


Segundo a equipe médica, Bolsonaro teve uma evolução clínica "satisfatória" e iniciará hoje uma dieta líquida, mas ainda não há previsão de alta.


O médico-cirurgião que acompanha o quadro do presidente desde que ele sofreu um atentado a faca em 2018, Antônio Luiz Macedo, chegou hoje ao hospital, na zona sul de São Paulo, por volta das 6 horas da manhã.


O profissional estava de férias nas Bahamas e voltou ao País em um avião privado. Ontem, ele havia dito ao Broadcast Político que faria uma avaliação clínica "criteriosa" em Bolsonaro hoje para decidir se haveria ou não a necessidade de operar o presidente.


De acordo com Bolsonaro, ele começou a passar mal no domingo, 2, em São Francisco do Sul-SC, onde passava as férias desde o dia 27 de dezembro. Devido ao desconforto abdominal, o presidente deixou o litoral catarinense de helicóptero em direção a Joinville na madrugada de ontem.


De lá embarcou para São Paulo com a comitiva presidencial.


Bolsonaro havia dado entrada no Vila Nova Star pela última vez em julho de 2021, quando também sentiu dores abdominais e ficou quatro dias no hospital para tratar do mesmo problema.


Na ocasião, não precisou ser operado. O presidente já realizou seis cirurgias em decorrência do atentado a faca sofrido em 2018 em Juiz de Fora, Minas Gerais.


Sem título-2-08.png