Sem título-2-08.png
  • Junior Sas

Idosos representam 81% das mortes por dengue em Joinville; veja o perfil das vítimas

Cidade registrou 16 óbitos pela doença neste ano, mais do triplo do que em 2021

Joinville já registrou 16 mortes por dengue desde o início do ano, o que representa mais do triplo de vítimas fatais contabilizadas em 2021. O número de óbitos tem crescido semanalmente desde abril, quando aconteceu o primeiro óbito de 2022, e o AN reuniu os dados para mostrar o perfil dessas vítimas.


A dengue se tornou um problema de saúde pública há pelo menos dois anos em Joinville. Desde então, o número de casos disparou e, no ano passado, a cidade registrou a primeira morte da história por causa da doença. O ano terminou com cinco óbitos por dengue, número que já foi superado neste ano no início de maio.


Em 2022, cinco vítimas eram mulheres e 11 eram homens, sendo que a maioria é composta por idosos. Com exceção das mortes de três pessoas, de 36, 50 e 51 anos, todos os demais estavam acima dos 60 anos.


Segundo a gerente de Vigilância em Saúde, Fabiana Almeida, um dos motivos que explica a maior mortalidade de idosos entre as vítimas da dengue é a maior presença de comorbidades nesta parcela da população.


— Sendo uma doença mais infecciosa, como também já observamos na Covid, a dengue desencadeia e pode descompensar outras doenças que o paciente já tem. Isso acaba agravando — explica.


Fabiana conta que o descontrole das demais doenças acontece na maioria das vezes em que o idoso com comborbidade se infecta com a dengue. Isso agrava o quadro de saúde e aumenta as chances de óbito.


Zona Leste com mais mortes


Mais da metade das mortes por dengue em Joinville neste ano é de moradores de bairros da zona Leste. O Comasa tem o maior número de vítimas, com cinco, enquanto o Boa Vista tem duas, e Espinheiros e Iririú têm uma. A região também é que apresenta mais casos confirmados da doença, com 6 mil.


Em seguida, a zona Norte aparece com quatro mortes, sendo uma no Jardim Paraíso e três no Costa e Silva. O bairro também é o que mais teve pessoas infectados com a dengue neste ano, com 2,3 mil casos.


Também aparecem com registro de mortes a zona Oeste, com dois óbitos, e a região Central, com uma vítima. A zona Sul não teve nenhuma pessoa que perdeu a vida por causa da dengue em 2022.


Fonte: NSC

Sem título-2-08.png