Sem título-2-08.png
  • Junior Sas

Inundações no Paquistão criam lago de 100 km de largura; veja imagens

Imagens de satélite impressionantes revelam a extensão das inundações recordes no país



Novas imagens de satélite impressionantes que revelam a extensão das inundações recordes do Paquistão mostram como um transbordamento do rio Indo transformou parte da província de Sindh em um lago interior de 100 quilômetros de largura.


Partes do país estão agora submersas, depois o que as autoridades das Nações Unidas descreveram como uma “monção com esteroides” trouxe as chuvas mais fortes de que há memória e inundações que mataram 1.162 pessoas, feriram 3.554 e afetaram 33 milhões desde meados de junho.


As novas imagens, tiradas em 28 de agosto do sensor de satélite Modis da Nasa, mostram como uma combinação de chuva forte e um transbordamento do rio Indo inundaram grande parte da província de Sindh, no Sul.


No centro da imagem, uma grande área em azul escuro mostra o Indo transbordando e inundando uma área de cerca de 100 quilômetros de largura, transformando o que antes eram campos agrícolas em um gigantesco lago interior.


É uma transformação impressionante da foto tirada pelo mesmo satélite na mesma data do ano passado, que mostra o rio e seus afluentes em faixas estreitas, destacando a extensão dos danos em uma das áreas mais atingidas.


A monção deste ano já é a mais úmida do país desde que os registros começaram em 1961, de acordo com o Departamento Meteorológico do Paquistão, e a temporada ainda tem um mês pela frente.


Nas províncias de Sindh e Baluchistão, as chuvas foram 500% acima da média, engolindo aldeias inteiras e terras agrícolas, destruindo prédios e plantações.


Embora a maior parte do tempo seco seja esperado na região nos próximos dias, especialistas dizem que a água levará dias para recuar.


A ministra de Mudanças Climáticas do Paquistão, Sherry Rehman, disse no domingo (28) que partes do país “se assemelham a um pequeno oceano” e que “quando isso acabar, poderemos ter um quarto ou um terço do Paquistão debaixo d’água”.


‘Inundação de proporções apocalípticas’


Em entrevista à CNN na terça-feira (30), o ministro das Relações Exteriores do Paquistão, Bilawal Bhutto Zardari, disse que visitou Sindh e viu em primeira mão como as inundações deslocaram vilas e cidades inteiras.


“Quase não há terra seca que possamos encontrar. A escala dessa tragédia… 33 milhões de pessoas, é mais do que a população do Sri Lanka ou da Austrália”, disse ele.


“E enquanto entendemos que a nova realidade da mudança climática significa clima mais extremo, ou monções, ondas de calor mais extremas como vimos no início deste ano, a escala do atual dilúvio é de proporções apocalípticas. Esperamos que não seja uma nova realidade climática”.


Imagens de satélite da Maxar Technologies de outras áreas do país mostram como vilarejos inteiros e centenas de terrenos verdejantes foram arrasados ​​pelas inundações que se movem rapidamente.


Imagens de Gudpur, uma localidade em Punjab, mostram como as inundações danificaram casas e substituíram a terra por trilhas sinuosas de terra nua.


O primeiro-ministro do Paquistão, Shehbaz Sharif, chegou ao Norte da província de Khyber Pakhtunkhwa na quarta-feira (31) para inspecionar os danos causados ​​pelas enchentes.


A província registrou a maioria das mortes mais recentes depois que os níveis de água aumentaram exponencialmente, disse a Autoridade Nacional de Gerenciamento de Desastres do país.


Sharif disse na terça-feira (30) que as inundações foram as “piores da história do Paquistão” e que a assistência internacional é necessária para lidar com a escala da devastação.


Fonte: CNN Brasil

Sem título-2-08.png