Sem título-2-08.png
  • Junior Sas

Mesmo com menor índice do país, SC tem 300 mil pessoas passando fome, diz estudo

Proporção de catarinenses famintos está bem abaixo da média nacional, que é de 15,5%


Santa Catarina é o Estado em que há menor proporção de pessoas passando fome no Brasil. Dados da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Penssan), divulgados nesta quarta-feira (14), mostram que 4,6% dos catarinenses sofrem com a insegurança alimentar grave. É o menor índice entre os Estados e o Distrito Federal.


Conforme o 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil (Vigisan), Alagoas é o Estado em que os casos de insegurança alimentar grave são mais frequentes, atingindo 36,7% das famílias pesquisadas.


A proporção de catarinenses famintos está bem abaixo da média nacional, que é de 15,5%. Ainda assim, 338 mil pessoas convivem com com um quadro grave da fome em Santa Catarina.


A pesquisa divide a insegurança alimentar em três níveis:

  • Leve: quando o temor de faltar comida leva a família a restringir a qualidade dos alimentos;

  • Moderada: sem qualidade, há alimentos em quantidade insuficiente para todos;

  • Grave: quando ninguém acessa alimentos em quantidade suficiente e se passa fome.


Santa Catarina aparece com índice de 7,6% no que tange à insegurança alimentar no nível moderado e 28,5%, no nível leve. Em números absolutos esses patamares somam 896 mil pessoas em SC sem comer o suficiente.


Considerando o total das populações de cada macrorregião, a maior proporção daqueles que convivem com a fome é de moradores das regiões Norte e Nordeste do país.


“Os resultados refletem as desigualdades regionais e evidenciam diferenças substanciais entre os estados de cada macrorregião do país”, aponta Renato Maluf, coordenador da Rede Penssan, responsável pela pesquisa, executada pelo Instituto Vox Populi.


2º maior índice de segurança alimentar do país


Segundo a pesquisa, que avaliou 506 domicílios em Santa Catarina entre novembro de 2021 e abril de 2022, o Estado tem o segundo maior índice de segurança alimentar (59,4%) do país, ou seja, 4,3 milhões de pessoas estão em situação de acesso pleno e estável a alimentos em qualidade e quantidade adequados.


Santa Catarina fica atrás apenas do Espírito Santo (61%). O dado nacional aponta que 41,3% da população brasileira vive em condição de segurança alimentar.


No Sul, o Paraná aparece com índice de 46,5% e o Rio Grande do Sul, com 52,4% de acesso pleno aos alimentos.


Fonte: ND+

Sem título-2-08.png