Sem título-2-08.png
  • Junior Sas

Na reta final da safra, pesca da tainha ainda não atingiu meta em SC: "Esperança não é grande"

Pesca artesanal foi liberada no dia 1º de maio e segue até 31 de julho


Iniciada em 1º de maio, a pesca artesanal da tainha ainda não superou as expectativas em Santa Catarina. A temporada da pesca de arrasto termina no próximo dia 31 de julho, mas, segundo a Federação dos Pescadores do Estado de Santa Catarina (Fepesc), o indicativo para as próximas semanas é que a presença do peixe diminua no litoral catarinense.


— O relatório geral só sai no dia 30 de julho, mas sobre a expectativa, não foi como a gente imaginava. Tínhamos uma base de 2,5 mil toneladas, mas foram capturadas 1,8 mil tonelada no litoral de Santa Catarina — explica o presidente da Federação dos Pescadores do Estado de Santa Catarina (Fepesc), Ivo da Silva.


Em 2021, 1.831 toneladas de tainha foram capturadas no Estado, 611 a mais do que no ano anterior. De acordo com o presidente da Fepesc, é provável que a quantidade projetada para esta safra não seja atingida até o fim de julho.


— A nossa esperança não é muito grande para as próximas semanas porque quando começam a aparecer espécies como anchova, significa que a safra da tainha está no final. A nossa esperança está mais para o trecho entre Governador Celso Ramos e Itapoá. A gente está esperando mais [tainhas] do litoral Norte do Estado, porque no Sul não está mais vindo tanto — afirma Ivo da Silva.


De acordo com a Associação dos Pescadores Profissionais Artesanais de Emalhe Costeiro de Santa Catarina, 87,61% da cota de tainha foram capturadas por redes de emalhe anilhado, que estão autorizadas no Estado desde 15 de maio.


Segundo dados reunidos pela prefeitura de Florianópolis, 138.051 tainhas foram capturadas na Capital na safra atual. Veja as praias onde foram pescadas mais tainhas nesta temporada:

  • Lagoinha do Norte - 25.945 tainhas

  • Barra da Lagoa - 23.587

  • Brava - 15.801

  • Campeche - 9.357

  • Naufragados - 9.272

  • Ingleses - 8.720

  • Pantano do Sul - 6.527

  • Prainha da Barra 6. 463

  • Gravatá - 4.500

  • Santinho - 4.062

  • Ponta das Canas - 3.905

  • Moçambique - 3780

  • Jurerê Internacional - 3.768

  • Galheta - 3.497

  • Daniela - 2.703

  • Forte - 2120

  • Joaquina - 1.650

  • Canasvieiras - 1.118

  • Cachoeira Bom Jesus - 684

  • Jurerê Tradicional - 405

  • Tapera - 187


Fonte: NSC


Sem título-2-08.png