Sem título-2-08.png
  • Junior Sas

Preço da gasolina cai R$ 1,32 em um mês; veja a redução nos estados

A queda de 17,9% no valor do combustível, de R$ 7,39 para R$ 6,07, é efeito da redução de tributos do ICMS nos estados



O preço médio da gasolina comum caiu R$ 1,32 em um mês nos postos do país. De acordo com levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), entre 19 a 25 de junho o valor médio do litro do combustível era de R$ 7,39 e passou para R$ 6,07 na última semana, entre os dias 10 e 16 de julho.


A queda de 17,9% é efeito da redução de tributos do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nos estados. Antes da lei aprovada pelo Congresso, cada ente federativo tinha autonomia para determinar a taxa sobre o combustível.


"Como se sabe, a redução do preço da gasolina se deve a uma renúncia fiscal. Os estados abriram mão de parte do ICMS arrecadado com o combustível, e isso diminuiu a distância entre o preço nas refinarias e na bomba ao consumidor", afirma o economista Robson Gonçalves, professor de MBAs da FGV (Fundação Getulio Vargas).


Segundo ele, reduções tributárias dessa natureza em um preço relevante como é o da gasolina são difíceis de reverter. "Acredito que, ao longo dos próximos anos, a gente deve conviver com esse preço mais baixo, fruto de uma menor carga de ICMS", avalia.


Nos últimos dois anos, o preço médio da gasolina nos postos de combustíveis chegou a variar 45%. O aumento foi resultado da política de paridade internacional da Petrobras e dos impactos que a pandemia e a guerra na Ucrânia trouxeram ao mercado de commodities, de acordo com Gonçalves.


"Isso somado ao dólar caro no Brasil fez com que o preço do combustível em reais subisse muito. Se algum desses fatores ceder, teremos mais um elemento a favor da redução do preço nas bombas a longo prazo. No entanto, a resolução do conflito na Ucrânia, o fim definitivo dos efeitos da Covid, em termos, por exemplo, de lockdown na China, ou mesmo a revalorização do real, nenhum desses fatores parece muito provável em curto prazo", diz o economista.


Porém, em mais uma tentativa de abaixar o preço dos derivados de petróleo, em ano eleitoral, o governo federal propôs que o ICMS se limitasse a 18% sobre esses produtos.

O projeto foi aprovado em 13 de junho e os governadores passaram a reduzir o imposto a partir de 27 de junho, quando o primeiro deles, Rodrigo Garcia, de São Paulo, anunciou a medida.


Antes, o governo já havia zerado os impostos federais sobre os combustíveis, como o PIS, Cofins e a Cide. A expectativa do Executivo federal é de queda média de R$ 1,55 no preço da gasolina.


Além disso, o governo federal adotou uma medida que obriga os postos a informar os consumidores sobre o preço praticado com e sem impostos, o que, de acordo com o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, ajuda os brasileiros a distinguir quais estabelecimentos estão, de fato, adotando a redução dos impostos.


Ainda segundo Sachsida, isso aumenta a competição e a concorrência, o que é benéfico para o setor e para os cidadãos.


Depois de aprovada, os efeitos da nova lei são percebidos nos postos do Brasil. Confira abaixo a lista de quanto caiu o preço médio em cada estado.


Redução da gasolina nos estados


• Acre – R$ 1,34 • Alagoas – R$ 1,28 • Amapá – R$ 1,27 • Amazonas – R$ 0,86 • Bahia – R$ 1,60 • Ceará – R$ 1,32 • Distrito Federal – R$ 1,73 • Espírito Santo – R$ 1,47 • Goiás – R$ 1,65 • Maranhão – R$ 0,76 • Mato Grosso – R$ 1,08 • Mato Grosso do Sul – R$ 1,53 • Minas Gerais – R$ 1,72 • Pará – R$ 1,36 • Paraíba – R$ 1,24 • Paraná – R$ 1,55 • Pernambuco – R$ 0,89 • Piauí – R$ 1,05 • Rio de Janeiro – R$ 1,74 • Rio Grande do Norte – R$ 1,30 • Rio Grande do Sul – R$ 1,10 • Rondônia – R$ 1,46 • Roraima – R$ 0,90 • Santa Catarina – R$ 1,33 • São Paulo – R$ 1,08 • Sergipe – R$ 1,23 • Tocantins – R$ 1,26


Fonte: R7

Sem título-2-08.png