Sem título-2-08.png
  • Junior Sas

Rússia lançou 200 ataques em seis horas contra cidade na região de Zaporizhzhia

Temor de acidente nuclear faz autoridades ucranianas entregarem remédio contra radiação



A cidade de Orikhiv, na região de Zaporizhzhia, na Ucrânia, sofreu mais de 200 ataques em um período de 6 horas, afirmou Oleksandr Starukh, chefe da administração militar regional de Zaporizhzhia, em um post do Telegram no último domingo (28).


A cidade também foi atacada por 14 horas seguidas, de acordo com Starukh.


“Hoje, 14 horas de fogo constante de sistemas de jato e artilharia de barril em Orikhiv”, escreveu Starukh. “A parte central da cidade foi a que mais sofreu; o centro da cidade está em chamas”.


Duas crianças e sua mãe ficaram feridas no bombardeio, acrescentou.


Temor de acidente faz autoridades ucranianas entregarem remédio contra radiação


As autoridades da cidade ucraniana de Zaporizhzhia disponibilizaram pílulas de iodeto para moradores, à medida que crescem os temores sobre um possível acidente na usina nuclear localizada próxima ao local.


De acordo com as autoridades, os moradores poderão obter comprimidos de iodeto em 13 pontos de segunda a sexta-feira, e um ponto estará disponível durante o fim de semana, em um esquema que começou a 23 de agosto.


Em 25 de agosto, um total de 4.029 pessoas foram recolhidas pílulas de iodeto, segundo autoridades. Oficiais da cidade aconselharam os moradores a tomar as pílulas apenas em caso de um aviso oficial sobre um acidente nuclear.


No início deste domingo (28), a operadora nuclear da Ucrânia, Energoatom, disse em sua conta do Telegram que, de acordo com a previsão do vento para segunda-feira (29), se ocorrer um grave acidente nuclear, a nuvem de radiação “cobrirá parte do sul da Ucrânia e as regiões do sudoeste da Rússia”.


Ele acrescentou que, no caso de um acidente em uma das unidades de energia da usina, a nuvem de radiação se moverá para sudeste em direção à Rússia.


Em caso de acidente, a Energoatom aconselha os residentes em áreas potencialmente ameaçadas “a fazerem profilaxia com iodo e limitarem a sua permanência em áreas abertas sem necessidade urgente”, bem como a vedarem portas e janelas e desligarem os aparelhos de ar condicionado.


“Além disso, em áreas potencialmente perigosas, recomenda-se tomar medidas para selar e embalar alimentos, água, roupas de cama, documentos e objetos de valor”, acrescentou Energoatom.


No sábado, tanto o Ministério da Defesa russo quanto a operadora nuclear da Ucrânia, Energoatom, disseram que o local da usina nuclear de Zaporizhzhia foi repetidamente bombardeado nas últimas 24 horas, culpando-se mutuamente pelo bombardeio.


O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, pediu no domingo que os militares russos deixem a fábrica.


“Os invasores russos transformaram a usina nuclear de Zaporizhzhia em uma base militar, colocando todo o continente em risco. Os militares russos devem deixar a fábrica, eles não têm negócios lá!”, tuitou.


Fonte: CNN Brasil

Sem título-2-08.png