Sem título-2-08.png

SC monitora segundo paciente com suspeita de varíola dos macacos

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES), o paciente tem 28 anos e mora em Blumenau, no Vale do Itajaí. Primeiro caso foi divulgado no fim de maio e foi detectado em Dionisío Cerqueira, no Oeste.

A Secretaria da Saúde de Santa Catarina (SES) confirmou nesta terça-feira (7) que monitora o segundo caso suspeito de varíola dos macacos no Estado. Segundo a pasta, o paciente tem 28 anos e mora em Blumenau, no Vale do Itajaí. O primeiro caso foi divulgado no fim de maio e foi detectado em Dionisío Cerqueira, no Oeste.


De acordo com a SES, o homem iniciou com sintomas em 30 de maio, com lesões de pele em diferentes áreas do corpo, febre e adenomegalia (inchaço no pescoço). Nesta terça, o governo informou que ele "vem apresentando melhora geral do quadro" e está isolado em casa.


Além de monitorar o paciente, a pasta realiza o rastreamento e monitoramento de contatos dele. O exame específico para o diagnóstico da varíola será realizado pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL), em São Paulo.


Questionado pelo g1 SC, o Ministério da Saúde (MS) informou que "está em contato com estados para apoiar no monitoramento e ações de vigilância em saúde". O segundo caso suspeito em Santa Catarina, no entanto, ainda não aparece nos dados do governo federal.


Primeiro caso

O primeiro caso suspeito da varíola foi detectado em uma mulher de 27 anos, residente em Dionísio Cerqueira, no Oeste, que iniciou os sintomas em 24 de maio, com o aparecimento de erupções cutâneas agudas do tipo papulovesicular em diferentes regiões do corpo, que foram acompanhadas de disfagia (dificuldade de deglutir), dor muscular, perda de força, febre e linfonodomegalia.


A paciente aguarda resultados de exames laboratoriais para outras doenças e segue sendo monitorado pela vigilância municipal. Não há previsão de quando o resultado será divulgado.

A varíola dos macacos entrou no radar dos cientistas depois que surtos da doença foram registrados na Europa, na América do Norte e na Austrália.




Fonte: G1



Sem título-2-08.png