Sem título-2-08.png
  • Redação

Vereadores fazem visita à Apae de Jaraguá do Sul



Uma comitiva de vereadores de Jaraguá do Sul visitou à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) na tarde da última quinta-feira (17).


Estavam presentes o presidente do Legislativo, Jair Pedri (PSD), o vereador Jonathan Reinke (PODE) e a vereadora Sirley Schappo (Novo). Eles foram recepcionados pelo presidente da entidade, Elder Stringari, pela diretora Pricila Lorentz Müller e por funcionários da instituição.


Eles mostraram aos parlamentares todo o trabalho que é feito nos mais de 12 mil atendimentos anuais da Apae jaraguaense e na estrutura contemplada com cerca de seis mil metros quadrados do complexo localizado no bairro Centenário.


Tudo isso atende a 600 usuários com deficiências intelectual e múltipla todos os anos. Cerca de 500 deles estudam na entidade.


Mas a diretora Pricila explica que isso ainda não é o suficiente para toda a demanda existente, já que 241 pessoas ainda esperam na fila para poder entrar na instituição.


As despesas do local giram em torno de R$ 9,8 milhões ao ano, cerca de R$ 16,4 mil por usuário anualmente.


Ela ressalta que em breve a Associação deve ocupar um espaço também no prédio do antigo Procad, que já teve recursos aprovados pelos vereadores para reforma, e que isso deve amenizar um pouco das necessidades.


Pricila aponta que o objetivo dos apaeanos é o de desenvolver todo o potencial dos deficientes, seja para trabalhar no mercado de trabalho ou para qualquer outra atividade, como o paradesporto.


Mas, para isso, ela afirma que a Apae tenta também preparar a sociedade para acolher essas pessoas, preparar as empresas, os ambientes coletivos e outras instituições, assim como a Câmara de Vereadores.


“Para que eles se sintam tão acolhidos lá fora quanto aqui dentro”, frisou.


Jonathan Reinke reforçou o pensamento da gestora e salientou que é importante para os vereadores ver de perto a realidade dessas entidades, pois a quantidade de pessoas com deficiência está crescendo no país.


“Precisamos planejar para que possamos ter um futuro melhor para os nossos usuários”, afirmou.


Neste sentido, a vereadora Sirley Schappo observou que é preciso que as escolas também estejam preparadas para receber as pessoas com deficiência.


Porém, sem uma qualificação dos profissionais, principalmente dos professores, isso se torna difícil.


Ela aproveitou para cobrar da Secretaria Municipal de Educação uma parceria maior, não só com a Apae, mas com todas as entidades filantrópicas como, por exemplo, a AMA e a Up Down, buscando entender as necessidades de cada uma delas e preparar os seus profissionais para atender às demandas.


“Cada vez mais o número (de pessoas com deficiência) vem crescendo. A cada 44 nascimentos no Brasil, um tem algum transtorno do espectro autista. E o professor está preparado e capacitado para trabalhar com essas crianças que estão todo dia chegando na sala de aula?”, indagou.


Para o presidente Jair Pedri, a visita foi importante para aproximar ambas instituições. “Todos conhecem a grandeza do trabalho da Apae, só não conhece as dificuldades que a Apae vive.


E essa visita foi fundamental para que nós possamos trazer o Legislativo para perto, para podermos conhecer as dificuldades e fazermos algo”, ressaltou.


Já o presidente da Apae, Elder Stringari, informou que em breve uma equipe apaeana também fará uma visita à Câmara Municipal a fim de levar mais conhecimento sobre as suas atividades, as realizações dos últimos anos e os planos futuros.

Sem título-2-08.png